Sustentabilidade

Gadgets antigos podem valer uma viagem pela Europa de comboio

Campanha internacional convida a partilhar fotografia daquela gaveta com equipamentos elétricos que já não se usa
Texto
Caixa com equipamentos elétricos (foto: Ainur Irman/Unsplash)
Caixa com equipamentos elétricos (foto: Ainur Irman/Unsplash)

Os equipamentos elétricos que tens naquela gaveta de casa podem valer-te uma viagem. O WEEE Forum, uma organização internacional de entidades gestoras de equipamentos elétricos da qual o Electrão faz parte, lançou um desafio de reciclagem que convida as pessoas a fotografarem os equipamentos que têm em casa e a partilhar nas redes sociais. O prémio é uma viagem de comboio pela Europa.

Todos temos vários equipamentos elétricos em casa que já não usamos por diversas razões. Um estudo realizado em 2022 pelo Instituto das Nações Unidas para a Formação e Investigação (UNITAR) concluiu que as casas europeias têm em média 74 equipamentos elétricos, dos quais 13 estão fora de uso e apenas quatro avariados.

O desafio de reciclagem da WEEE visa alertar para este fenómeno de acumulação e para a importância de se fazer o correto descarte destes equipamentos. Com o mote “Destralhar a casa de equipamentos elétricos: vamos dar-lhe uma nova vida!”, o concurso desafia as pessoas a publicar nas suas redes sociais uma fotografia da gaveta ou do armário onde têm acumulados os equipamentos elétricos.

Na descrição da publicação devem ser incluídas as referências #ewastehunt, #junkdrawer, #ewasteday e uma explicação sobre o que será feito aos equipamentos: se vão para reparação, reutilização ou reciclagem.

O concurso é lançado no âmbito do Dia Internacional dos Resíduos Elétricos que se assinala a 14 de outubro. Os resultados do concurso serão divulgados a 22 de outubro.

Quem quiser participar no concurso, poderá ver todas as informações no site do WEEE Forum.

Continuar a ler
Descobre o teu mundo.
Recebe a nossa newsletter semanal.
Home
Radares da PSP: vê onde vão estar de 15 a 21 de julho
Cidades mais verdes e menos compactas têm taxa de mortalidade mais baixa
Vai nascer mais um troço de ciclovia em Lisboa