Fantástico

Blackberry deixaram de funcionar. Novo foco em cibersegurança e veículos elétricos

O software dos Blackberry deixou de ser atualizado no dia 04 de janeiro e os icónicos telefones QWERTY deixaram de funcionar. Nova estratégia passa pela cibersegurança e mobilidade
Blackberry deixa de funcionar mas marca vive nova era
Blackberry deixa de funcionar mas marca vive nova era
PUB

Ainda te lembras da marca BlackBerry e dos seus famosos telemóveis com teclado QWERTY, mais adequados para ver e responder a e-mails do que para qualquer outra coisa?

A Blackberry anunciou o fim da assistência e desenvolvimento ao software, com consequente "morte" de todos os seus telefones baseados no sistema operativo proprietário que os fez famosos. Mas a marca canadiana não vai fica parada e irá focar-se no desenvolvimento de soluções de cibersegurança e de software com múltiplas aplicações, entre as quais o setor automóvel.

PUB

A plataforma QNX desenvolvida pela BlackBerry para integrar os sistemas de assistência à condução (os chamados ADAS, do inglês “Advanced Driver Assistance Systems”), já está a ser amplamente usada, em especial pelos fabricantes de veículos com motorizações elétricas (VE). A sua principal mais-valia é a de integrar e processar a enorme quantidade de informação que um VE recolhe em tempo real, através das suas câmaras, radares, sensores ultra-sons e/ou LiDAR, para analisar o ambiente circundante e poder executar funções automatizadas.

PUB
PUB

Para além da plataforma QNX, a BlackBerry disponibiliza também o software IVY, baseado em nuvem. Este otimiza a duração da bateria e a distância de viagem com base em hábitos de condução e pode informar as empresas fornecedoras de energia sobre os melhores locais para a instalação de estações de carregamento, com base na identificação das zonas e rotas com maior densidade de veículos elétricos.

É uma nova vida para a Blackberry!

 

Continuar a ler
Home
Comprar um veículo elétrico em segunda mão. Prós e contras
Preço dos combustíveis com aumento na 2ª feira
Descobre como a resiliência fará parte das smartcity do futuro