Fantástico

Nova tecnologia poderá limpar água para um milhão de famílias até 2030

SolarDew criou um mecanismo que usa energia térmica para filtrar água salgada ou contaminada, tornando-a potável
Texto
SolarDew
SolarDew

Transformar água do mar ou água fortemente contaminada com arsénico ou metais pesados em água potável: é esta a revolução a que se propõe a SolarDew, empresa sediada nos Países Baixos, que promete melhorar a qualidade de vida das populações em locais onde há escassez de acesso a água com qualidade para ser consumida.

A SolarDew utiliza uma nova tecnologia de membrana patenteada, sem componentes elétricos ou mecânicos, que otimiza os processos naturais de evaporação e condensação, contando apenas com o sol. O sistema funciona com uma espécie de painel solar que, em vez de produzir eletricidade, gera água potável limpa.

O seu funcionamento é simples, garante a empresa. A água entra na parte superior do painel e a energia térmica do sol aquece-a e evapora-a. O vapor daí resultante passa então por uma membrana que bloqueia os contaminantes e o sal, sendo depois condensado no outro extremo do painel.

Cada módulo, composto por um único painel solar, é capaz de gerar quatro litros de água por dia, o consumo médio de uma família. Se houver necessidade de obter mais água potável basta adicionar mais painéis, já que estes podem ser ligados entre si.

Chile

A empresa neerlandesa pretende começar a instalar as primeiras unidades em 2022 nas regiões interiores do Chile e da Austrália. Os seus painéis, assegura, são simples de montar e fáceis de manter, e terão preços acessíveis quer para famílias, quer para pequenas comunidades. O objetivo é abastecer um milhão de pessoas com água potável até 2030.

(Fotos: captura e H.J. Weinhardt e E. Akyurt/Unsplash)

Continuar a ler
Descobre o teu mundo.
Recebe a nossa newsletter semanal.
Home
Ponte Vasco da Gama encerrada ao trânsito na próxima madrugada
O futuro pode não ter sequer volante e vai ser mais sustentável
Combustíveis: gasóleo e gasolina descem segunda-feira... mas pouco