Fantástico

Dia Internacional da Mulher: 7 mulheres marcantes da indústria automóvel

Descobre algumas das mulheres que marcaram a história da indústria automóvel e ajudaram a que os carros fossem aquilo que são hoje

O mundo automóvel é considerado um meio maioritariamente dominado por homens. Ainda assim, isso não significa que as mulheres não tenham feitos grandes contributos para a indústria e para os automóveis que hoje fazem parte da nossa realidade.

Mulheres na indústria (Associated Press)

No Dia Internacional das Mulheres, celebramos a data destacando sete mulheres que deixaram a sua marca no mundo automóvel.

1. Bertha Benz - primeira mulher a fazer uma viagem de longa distância

Martha Bertha (Mercedes-Benz)

Há quem diga que por trás de um grande homem, costuma estar uma grande mulher. Bertha Brenz, nascida em 1894 na Alemanha, foi essa grande mulher para Carl Benz, um dos inventores do primeiro carro a motor.

Bertha Benz, para além do apoio que deu ao marido, foi também a primeira mulher a fazer a primeira viagem de longa distância com o carro a motor patenteado por Benz, indo de Mannheim a Pforzheim e de volta em 1888. Na viagem, teve a companhia dos dois filhos.

2. Mary Barra – primeira mulher CEO de uma grande fabricante automóvel

Mary Barras (GM)

Foi apenas em 2014 que se viu uma mulher chegar ao topo de um dos maiores fabricantes automóveis do mundo. Mary Barra tornou-se CEO da GM, que detém a Chevrolet, Cadillac, GMC e Buick, em janeiro de 2014, cargo que mantém até hoje e que está marcado por decisões de sucesso.

Mary Barra esteve sempre na GM, ocupando vários cargos desde 1980, ano em que entrou na empresa. É formada em engenharia elétrica pela Universidade de Kettering e tem um MBA em Negócios da Universidade de Stanford.

3. Margaret Wilcox – dona da primeira patente do sistema interno de aquecimento

Margaret Wilcox

Sabes aqueles dias frios em que é praticamente impossível conduzir sem ligar o aquecimento do carro? Todos os carros hoje em dia têm um sistema de aquecimento e ele existe graças a uma mulher, a engenheira mecânica Margaret Wilcox, que se lembrou de aproveitar o calor gerado pelo motor para aquecer o habitáculo.

A ideia foi patenteada em 1893, mas apenas começou a ser regularmente usada a partir de 1929, quando Ford instalou o sistema no Model A.

4. Mary Anderson – inventora do primeiro limpa para-brisas

Mary Anderson

O limpa para-brisas é uma invenção com mais de 100 anos e tem uma mulher por detrás. Mary Anderson não trabalhava na indústria automóvel, mas percebeu que a chuva interferia com a condução ao afetar a visibilidade.

Assim começou a trabalhar naquilo que foram as primeiras lâminas de limpar para-brisas que funcionavam manualmente, com uma alavanca. A patente foi registada em 1903, mas o produto nunca teve realmente sucesso.

5. Florence Lawrence – criou os indicadores de mudança de direção e de travagem

Florence Lawrence

Florence Lawrence foi uma atriz canadiana que fez sucesso em Hollywood no início do século XIX. Era uma grande aficionada por automóveis e foi a responsável pelos primeiros alertas de mudança de direção e de travagem.

Para indicar mudanças de direção, criou um mecanismo que fazer levantar uma bandeira conforme a direção que se ia tomar e quando se carregada no travão, surgia um sinal Stop.

Na altura, a invenção não foi valorizada, nem nunca foi registada a patente. Só anos depois percebeu-se o quão interessante os mecanismos de Florence seriam para garantir maior segurança na estrada.

6. June McCarroll – uma das primeiras pessoas a propor demarcações nas estradas

Enfermeira de profissão, June McCarroll teve a ideia para demarcações de estrada depois de ter tido um acidente com o seu Ford Model T, em 1917, na Califórnia.

A proposta de June McCarroll era simples: para se tornar as estradas mais seguras, poderia pintar-se uma linha branca que separasse os dois sentidos do trânsito. June McCarroll fez uma campanha que levou a que as demarcações de estradas se tornassem obrigatórias na Califórnia a partir de 1924.

7. Gladys Mae West – contribuiu para o desenvolvimento do GPS

Gladys Mae West (foto: Adrian Cadiz)

Gladys Mae West é uma matemática americana que trabalhou durante vários anos para a Marinha dos Estados Unidos durante vários anos. Em 1978, a equipa em que Gladys Mae West estava integrada construiu um satélite que criava simulações da superfície terrestres.

Esta foi a base para o sistema de GPS que ainda hoje usamos e o contributo de Gladys Mae West foi reconhecido em 2018.

(Fotos: D.R.)

Continuar a ler
Home
Petróleo russo afinal pode ainda não ser alvo de embargo na União Europeia
A diferença que pode fazer uma tampa na garrafa. Vê aqui o projeto da Coca-Cola
Saga de filme de ação automóvel "Velocidade Furiosa 10" em Portugal