Fantástico

Gauleses ficam loucos com carruagem Citroën no novo filme da saga Astérix

Construtor criou o insólito veículo para o filme “Astérix e Obélix: O Império do Meio”, com que os dois amigos partem numa viagem à China
Texto

Mais habituada a desenhar e produzir automóveis de passageiros e veículos comerciais, a Citroën foi, desta vez, desafiada para algo totalmente diferente – conceber uma carruagem muito especial para o filme “Astérix e Obélix: O Império do Meio”.

A próxima saga em cinema dos invencíveis gauleses, criados em 1959 por René Goscinny e Albert Uderzo, conta com uma carruagem ‘concept’ desenvolvida pela equipa de designers do construtor automóvel francês, inspirada no lendário 2CV.

Carruagem Citroën - AWAY
Carruagem Citroën

Algumas das suas especificações mais curiosas são as suspensões feitas de estômagos de javali; o tejadilho feito em tela de Lutécia; os faróis inspirados nos capacetes gauleses, iluminados por pirilampos que beberam a poção mágica; e as rodas feitas de escudos reciclados, a destacar os famosos chevrons da Citroën.

O projeto teve a duração de três meses, o que significa que foi desenvolvido em tempo recorde, já que o período entre os esboços iniciais e a construção de um ‘concept’ é, geralmente, de um ano.

Carruagem Citroën - AWAY
Carruagem Citroën

Com estreia em Portugal marcada para 6 de abril de 2023, o filme “Astérix & Obélix: L’Empire du Milieu”, no título original, é uma produção Pathé, Trésor Films e Les Enfants Terribles, realizado por Guillaume Canet, à qual a Citroën se associou de forma inédita.

Para além da criação da carruagem, a marca cedeu à equipa de filmagem uma frota de 10 veículos eletrificados – três ë-C4, três C5 Aircross Hybrid Plug-in, dois ë-SpaceTourer, um Ami e um ë-Jumpy – os quais foram usados durante as rodagens.

Continuar a ler
Descobre o teu mundo.
Recebe a nossa newsletter semanal.
Home
Barco à vela produzido com algas e plástico reciclado inspira o futuro
Comer carne ou ser vegan? Qual a dieta com menos emissões de carbono?
Limitar o aquecimento global a 1,5ºC parece tarefa impossível diz novo estudo