Energia

Maior parque eólico offshore do mundo já começou a produzir energia

Hornsea 2 tem área de 462 km² e terá capacidade de produção superior a 1,3 gigawatts quando estiverem montadas todas as 165 turbinas
Texto
Hornsea 2
Hornsea 2

A empresa dinamarquesa de energia Orsted acaba de confirmar que o parque eólico offshore Hornsea 2 produziu a primeira energia, o que representa um marco muito significativo neste complexo situado em águas a cerca de 89 quilómetros da costa leste do Reino Unido.

O Hornsea 2 apenas ficará totalmente operacional durante o ano de 2022, quando forem instaladas todas as turbinas. Nessa altura, e de acordo com a Orsted, será o maior parque eólico offshore do mundo.

Este novo parque eólico marítimo tem uma área de implantação considerável de 462 km². Será composto por 165 turbinas da Siemens Gamesa, com uma capacidade de mais de 1,3 gigawatts.

Estará apto a fornecer energia a mais de 1,3 milhões de casas, o que lhe permitirá ostentar o título de maior instalação do género em todo o mundo, que ainda pertence ao Hornsea 1. Em conjunto, os dois projetos serão capazes de fornecer energia suficiente para mais de 2,3 milhões de lares, assegura a Orsted.

Ao nível da produção de energia em parques eólicos offshore, o Reino Unido e a União Europeia estão bem lançados. Os primeiros estimam uma capacidade de 40 GW até 2030, ao passo que o organismo europeu tem como alvo 300 GW de capacidade por volta de 2050.

Os Estados Unidos, pelo contrário, estão mais atrasados. A sua primeira instalação eólica offshore, o Parque Eólico Block Island, de 30 MW de capacidade, apenas iniciou operações comerciais no final de 2016. Contudo, a situação pode vir a inverter-se, já que entidades governamentais revelaram que pretendem lançar um projeto eólico offshore de 30 GW de capacidade até 2030.

(Fotos: Orsted)

Continuar a ler
Descobre o teu mundo.
Recebe a nossa newsletter semanal.
Home
Governo recomenda baixar a velocidade máxima para os 100 km/h
Dinamarca está a substituir comboios Diesel por elétricos
Itália tem primeira residência para estudantes alimentada a hidrogénio