Energia

Bosch expande aposta em hidrogénio verde com componentes de eletrolisadores

Empresa alemã vai desenvolver componentes para eletrolisadores de produção de hidrogénio
Texto
Bosch aposta em hidrogénio
Bosch aposta em hidrogénio

A Bosch vai reforçar a sua aposta no hidrogénio verde, tendo anunciado que planeia começar a produzir componentes para eletrolisadores, a tecnologia que utiliza energia para separar as moléculas de oxigénio e hidrogénio da água. Desta forma, a empresa espera contribuir para expandir o hidrogénio verde na Europa e apoiar a transição energética.

A produção de componentes para eletrolisadores fará parte do setor de soluções de mobilidade da empresa e implicará um investimento de 500 milhões de euros até ao final da década.

Estes componentes para os eletrolisadores vão começar a ser produzidos em massa o mais brevemente possível, em várias localizações europeias, como na Alemanha, Países Baixos, Áustria e República Checa.

Mas a Bosch quer ir mais longe e pretende criar um módulo central para eletrolisadores compacto e inteligente que inclua não só o seu componente, no qual ocorre a transformação de água em hidrogénio, como também outros elementos, como sensores e o controlo da unidade. Para tal, está a trabalhar com vários parceiros e espera conseguir fornecer este módulo inteligente já a partir de 2025.

Em comunicado, a Bosch explica que a grande vantagem deste elemento compacto é o facto de se poder adaptar tanto a unidades mais pequenas, com capacidade de até 10 MW, como a fábricas maiores, com capacidade de vários gigawatts.

A Bosch também está a trabalhar para criar serviços complementares, como a reciclagem de componentes.

Outros projetos de hidrogénio da Bosch

A produção de componentes para eletrolisadores não é a primeira aventura no mundo do hidrogénio da Bosch. A empresa alemã tem desenvolvido tecnologia fuel cell, que funciona ao transformar hidrogénio em energia.

Recentemente, a Bosch anunciou que está a testar 70 camiões com sistemas fuel cell na China. O objetivo é perceber quais são as fraquezas deste sistema quando está a fazer vários quilómetros nas autoestradas e vias rápidas.

A empresa também está a trabalhar em tecnologia fuel cell fixa e móvel e tem já uma extensa gama de produtos para a mobilidade a hidrogénio.

(Fotos: Bosch)

Continuar a ler
Descobre o teu mundo.
Recebe a nossa newsletter semanal.
Home
Governo recomenda baixar a velocidade máxima para os 100 km/h
Dinamarca está a substituir comboios Diesel por elétricos
Itália tem primeira residência para estudantes alimentada a hidrogénio