Energia

UE quer apostar em hidrogénio e energia solar até 2030

Pacote energético prevê meta de 45% para energias renováveis até 2030, com forte aposta no hidrogénio e na energia solar
Hidrogénio (Foto: Gettyimages/Bruce Weaver)
Hidrogénio (Foto: Gettyimages/Bruce Weaver)

A Comissão Europeia pretende aumentar a produção e consumo energético a partir de fontes renováveis até 2030 e, para tal, pretende reforçar a energia solar e o hidrogénio verde.

Na comunicação sobre o pacote energético REpowerEU a que a Lusa teve acesso, o executivo defende que se aumente a meta das energias renováveis para 45% até 2030, mais 5% do que o que foi proposto o ano passado no âmbito do Objetivo 55.

Desta forma, Bruxelas estima que a produção de energia renovável passaria a ser de 1236 GW até 2030 face aos 1067 GW inicialmente planeados.

É também no pacto REpowerEU que a Comissão Europeia apresenta medidas para aumentar o recurso ao solar e ao hidrogénio verde.

Frisando que a energia solar fotovoltaica “é uma das tecnologias mais rápidas a ser implementada”, Bruxelas estipula o objetivo de a UE ter mais de 300 GW recém-instalados até 2025 – mais do dobro do nível atual –, e quase 600 GW até 2030.

Já para acelerar o hidrogénio, a estratégia apresentada estabelece objetivos de produção interna de 10 milhões de toneladas e de importações de 10 milhões de toneladas, isto até 2030.

Segundo as contas de Bruxelas, a importação e transporte destes 20 milhões de toneladas de hidrogénio até 2030 implicam necessidades de investimento em infraestruturas entre 28 a 38 mil milhões de euros para gasodutos internos da UE e entre seis a 11 mil milhões de euros para armazenamento.

As propostas do pacote energético REpowerEU, para além de serem centrais para a transição ecológica e para reduzir em 55% as emissões poluentes até 2030, serão também de extrema importância para tornar a Europa independente dos combustíveis fósseis russos.

Tubos de gás natural (Foto: AP/Petr David, File)

A UE importa 90% do gás que consome, sendo a Rússia responsável por cerca de 45% dessas importações, em níveis variáveis entre os Estados-membros. A Rússia é também responsável por cerca de 25% das importações de petróleo e 45% das importações de carvão da UE.

O conflito na Ucrânia, provocado pela invasão russa em fevereiro, tem criado tensões geopolíticas que têm afetado o mercado energético europeu, obrigou a UE a procurar uma alternativa.

Continuar a ler
Home
Conferência dos Oceanos 2022 em Lisboa até 1 de julho
Subida de água no planeta. Vê aqui este projeto de sensibilização em Copenhaga
Estão a aparecer microplásticos em gelo na Antártida