Energia

Falta de cobre usado em painéis solares põe em causa transição energética

Metal é essencial em bens tecnológicos e a procura irá crescer substancialmente sem que a capacidade de resposta acompanhe
Escassez de cobre pode ter impacto em transição energética (Foto: T. Stavrakis/AP) (Foto: A. Snow/AP)
Escassez de cobre pode ter impacto em transição energética (Foto: T. Stavrakis/AP) (Foto: A. Snow/AP)

A falta de cobre poderá obrigar os países a travar a transição energética, uma vez que este material é essencial para a construção painéis solares, turbinas eólicas e veículos elétricos.

Um relatório sobre o futuro do cobre da S&P Global, uma empresa americana que analisa e recolhe dados de mercados a nível mundial, salienta que atualmente são usados 25 milhões de toneladas deste metal. Este valor irá mais do que duplicar em 2050, altura em que serão necessário 53 milhões de toneladas por ano para dar resposta à procura.

Desta 53 milhões de toneladas de cobre é mais do que todo o que foi usado entre 1900 e 2021.

No relatório, a S&P alerta que nunca houve necessidade de produzir tanto cobre em tão pouco tempo, e que a procura crescente aleada aos níveis de mineração atuais irá conduzir à falta de cobre. A solução poderá passar por uma utilização mais eficiente.

Antiga mina de cobre (Foto: A. Snow/AP)

Por que é que o cobre é essencial para a transição energética?

Todos os bens eletrónicos têm fios em cobre, o que torna o metal essencial para a construção de painéis fotovoltaicos ou turbinas elétricas. Quando se olha para a mobilidade elétrica, a necessidade do material é ainda superior. Um veículo elétrico utiliza o dobro do cobre de um veículo a combustão, refere a Reuters.

Com os países do mundo focados em impedir a subida da temperatura a mais de 1,5ºC, tem havido uma grande aposta nas energias renováveis e na mobilidade sem emissões. Se não for possível dar resposta à procura de cobre, a transição poderá prolongar-se no tempo, tornando impossível alcançar a neutralidade carbónica até 2050.

Continuar a ler
Home
2022 é o ano com a segunda maior área ardida na Europa
Descobre este veículo de transporte coletivo autónomo e a hidrogénio
Colete salva-vidas de economia circular evita afogamentos