Energia

Portugal e Países Baixos ligados através de um corredor de hidrogénio verde

Na assinatura do acordo, Pedro Nuno Santos frisou que produzir hidrogénio a partir de fontes renováveis é uma ótima oportunidade para o país
Texto
Energia de fontes renováveis (Foto: Q. Vhin/ Pexels)
Energia de fontes renováveis (Foto: Q. Vhin/ Pexels)

O ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, manifestou o desejo de que Portugal aproveite a energia eólica e solar para produzir e exportar hidrogénio verde, uma vez que o país não produz petróleo.

As declarações do ministro foram proferidas no âmbito da assinatura do acordo do Projeto H2Sines.RDAM, para o desenvolvimento de um corredor logístico de hidrogénio verde que vai ligar os portos de Sines e Roterdão, Países Baixos, por via marítima.

Pedro Nuno Santos é da opinião de que Portugal deve “aproveitar a capacidade de produzir energia a partir de fontes renováveis e exportar essa energia, transformada em hidrogénio verde, para o centro e norte da Europa".

Porto de Roterdão - AWAY
Porto de Roterdão (Foto: N. Looijen/ Pixabay)

A aposta na descarbonização e na transição energética é uma ótima oportunidade económica para Portugal, sublinhou o ministro, acrescentando ainda que este novo corredor logístico de hidrogénio verde que se está a começar a construir dará “centralidade” ao país.

De referir que o transporte do hidrogénio em estado líquido entre os portos de Sines e de Roterdão irá ser efetuado por via marítima através de um navio próprio.

Este projeto surge no seguimento da assinatura de um acordo de entendimento entre os governos de Portugal e dos Países Baixos, em 2020, que consiste no desenvolvimento de um corredor marítimo estratégico para a movimentação de hidrogénio entre os dois países.

Continuar a ler
Descobre o teu mundo.
Recebe a nossa newsletter semanal.
Home
Barco à vela produzido com algas e plástico reciclado inspira o futuro
Comer carne ou ser vegan? Qual a dieta com menos emissões de carbono?
Limitar o aquecimento global a 1,5ºC parece tarefa impossível diz novo estudo