Energia

Bosch comprometida com o futuro do hidrogénio enquanto energia verde

Grupo está a desenvolver tecnologia que visa a massificação do hidrogénio, quer para uso industrial, quer na mobilidade
Bosch aposta no hidrogénio
Bosch aposta no hidrogénio

O hidrogénio é, cada vez mais, uma forte aposta da Bosch no que diz respeito à oferta de energias renováveis. O grupo alemão está a desenvolver células de combustível para aplicações móveis e estacionárias, a equipar postos de abastecimento de hidrogénio com compressores e prevê produzir hidrogénio nas suas próprias fábricas.

Com vista à produção em volume de soluções baseadas em hidrogénio e a sua disponibilização a empresas de diversos setores de atividade, a Bosch criou recentemente uma unidade de projeto dedicada que mostrou as suas atividades no certame que decorre em Hannover Messe, na Alemanha, até 2 de junho.

Um dos locais onde a tecnologia baseada em hidrogénio da Bosch tem mais expressão é a sua própria fábrica em Homburg, Alemanha. Nessa unidade é produzido hidrogénio a partir de energia renovável que é usado para operações de produção (através da sua conversão em calor e eletricidade) e para a mobilidade dos veículos movidos a células de combustível que aí laboram.

Também na fábrica de Homburg, em parceria com a Maximator Hydrogen, a unidade Bosch Rexroth está a testar uma solução de compressão de hidrogénio para postos de abastecimento e depósitos de armazenamento, que é escalável e de baixa manutenção. Os novos compressores com base em contentores têm o potencial de reduzir para metade os custos totais de propriedade dos operadores, o que leva as duas empresas a acreditar que irão conseguir disponibilizar essa tecnologia para 4000 postos de abastecimento de hidrogénio até 2030.

Quanto às microcentrais elétricas equipadas com células de combustível de óxido sólido, concebidas para o fornecimento estacionário de energia, que estão igualmente em desenvolvimento na unidade de Homburg, a Bosch já está a planear o seu lançamento no mercado chinês, em conjunto com a construtora chinesa Weichai e o seu parceiro de tecnologia Ceres Power.

No futuro, a Bosch pretende fornecer não apenas a tecnologia para comprimir hidrogénio e convertê-lo em eletricidade, mas também envolver-se na produção deste gás. A empresa alemã vai desenvolver componentes para eletrolisadores, dispositivos que usam eletricidade para causar uma reação química que divide a água em hidrogénio e oxigênio.

(Fotos: Bosch)

Continuar a ler
Home
Combustíveis: gasóleo vai finalmente descer na próxima segunda-feira
Supervan desportiva de entregas rápidas com 1.470 kW
Carros elétricos usados. Uma boa opção? O que ter em conta?