Energia

Parques eólicos offshore ganham expressão nos mares do Reino Unido

Governo investiu €38 milhões no desenvolvimento de tecnologia eólica flutuante e Escócia aprovou 17 leasings para parques eólicos offshore
Parque eólico offshore na Escócia (Jeff J. Mitchell/Getty Images)
Parque eólico offshore na Escócia (Jeff J. Mitchell/Getty Images)

O mês de janeiro de 2022 ficou marcado pelo forte investimento do Reino Unido na energia eólica offshore, especialmente na flutuante, em que as turbinas ficam apoiadas em estruturas presas ao fundo do mar com sistemas de ancoragem e cabos. Por não serem fixas, as turbinas podem ser colocadas em áreas mais profundas.

De forma a desenvolver tecnologias mais avançadas para tirar o máximo proveito das zonas mais ventosas da costa, o governo do Reino Unido anunciou o investimento de mais de 38 milhões de euros em 11 projetos de investigação e pesquisa de tecnologia eólica flutuante. Haverá também um investimento de cerca de 36 milhões de euros por parte de privados.

O Marine Power Systems é um dos projetos escolhidos pelo governo. Irá receber 4 milhões de euros para apoiar o desenvolvimento de uma base flutuante para turbinas que tenha também um gerador de energia para aproveitar a ondulação do mar.

Também a iniciativa que junta as companhias SSE Renewables, Maersk Supply Service Subsea, Bridon Bekaert Ropes Group e Copenhagen Offshore Partners receberá mais de 11,5 milhões de euros para criar novas tecnologias de sistemas de ancoragem, proteção de cabos, assim como um sistema avançado de monitorização digital.

A Escócia também irá ver a produção de energia eólica aumentar substancialmente com a aprovação de 17 candidaturas para usar a área marítima do país. O programa ScotWind de arrendamento do fundo do mar para desenvolvimento de parques eólicos offshore permitiu angariar 840 milhões de euros.

Entre as empresas que viram as suas candidaturas aprovadas estão a BP Alternative Energy, a Shell e a SSE Renewables. Já se sabe que parte dos projetos será para parques eólicos flutuantes.

A capacidade energética total da área é de perto de 25 GW, mais do dobro da capacidade atual de todos os parques eólicos offshore juntos, no Reino Unido.

A aprovação das candidaturas é apenas o primeiro passo para a construção dos parques eólicos flutuantes offshore. As próximas fases implicam a aprovação, financiamento e planeamento dos parques antes de passar para a instalação das turbinas.

(Fotos: Unsplash e Pixabay)

Continuar a ler
Home
Radares: onde vão estar instalados os controlos de velocidade da PSP em julho
Lisboa é considerada a cidade mais feliz do mundo
Painéis solares grátis? Descobre como teres acesso