Energia

Vamos todos circular com combustíveis sintéticos? Se calhar não…

A Comissão Europeia cedeu às pressões e permite a circulação de carros a combustão em 2035 mas com uma condição
Texto

Combustíveis sintéticos, mais ecológicos ou e-Fuel. Sabes o que são? Pois bem, parecem ser a salvação dos carros com motores a combustão a partir de 2035. Mas nem tudo é pacífico e a história pode não ser assim tão simples, como a AWAY foi explicar ao programa de informação Esta Manhã da TVI (vídeo acima)

Depois de vários meses de impasse a União Europeia chegou a um acordo para proibir em definitivo a venda de veículos novos movidos a motor de combustão, alimentados a gasolina ou gasóleo, mas deixou uma exceção: combustível sintético.

Ou seja. A partir de 2035 está proibida a venda de veículos novos com motor de combustão a não ser que sejam movidos com combustível sintético. E a União Europeia quer incluir veículos pesados e de mercadorias a breve prazo.

combustiveis - away
Combustíveis sintéticos poderão "salvar" motores de combustão (foto: Arquivo AWAY)

A pressão veio essencialmente da Alemanha e da Itália que queriam que a lei europeia permitisse a introdução justamente de uma “emenda” que permitisse a continuidade em circulação de milhares de carros a combustão. E compreende-se já que existem marcas (em particular de desportivos) cujos carros mantêm-se em circulação com mais de 4 ou 5 décadas de existência, como a Porsche ou Ferrari.

A razão parece simples. Se em 2035 deixarem de ser vendidos veículos a combustão, as energéticas deixam de ter razão para investir em postos de combustível e milhares deles poderiam fechar.

Surge assim o combustível sintético que irá permitir que carros novos com motor de combustão circulem, mas, igualmente importante, irá permitir que milhões de carros atualmente em circulação possam ter uma alternativa ecológica.

combustiveis - away
Os combustíveis sintéticos ainda terão que passar por alguma investigação (fotomontagem)

Qual o problema dos combustíveis sintéticos?

No entanto, atualmente, a produção de combustíveis sintéticos é complexa. Para obter um combustível sintético recorre-se a um processo de separação do hidrogénio do oxigénio, através de eletrólise da água e depois combinado com dióxido de carbono (CO2) captado da atmosfera. Desta forma o produto final tem propriedades similares aos atuais combustíveis.

Problemas? Muitos. A captura de CO2 ainda não é um processo fácil ou sequer barato. Além disso o processo atual nem garante que as restantes partículas nocivas ao ambiente possam, de facto, ser eliminadas.

combustíveis - away
A Porsche tem parceria numa fábrica de combustíveis sintéticos no México (foto: Porsche)

Pior. Estimativas de várias associações ambientalistas dizem que a preços atuais o combustível sintético custaria acima de 2 euros por litro ou cerca de 200 euros para atestar um depósito.

Com isto fica a dúvida: se não é mais barato de produzir, se não é mais barato para o utilizador e se não existe (até à data) evidência científica que os veículos que o utilizem emitam zero emissões, para que serve?

Dica importante. Os países que mais pressionaram a União Europeia foram a Alemanha e a Itália. Com eleições e pressão interna há quem opine que talvez tudo isto seja uma vez mais política.

Continuar a ler
Descobre o teu mundo.
Recebe a nossa newsletter semanal.
Home
Preço dos combustíveis na próxima semana de 11 a 17 de dezembro
Hino ao design escandinavo em nova bicicleta elétrica futurista
Clima: se mar continuar a subir, estas zonas do mundo vão desaparecer