Cidades

Moradores preocupados com nova ciclovia na Avenida de Berna em Lisboa

Questões sobre insegurança nas ruas, ruído e lixo foram também temas discutidos na reunião pública que contou com Carlos Moedas
Texto
Lisboa
Lisboa

Os moradores das freguesias lisboetas de Avenidas Novas e Campolide mostraram preocupação face à falta de estacionamento devido à ciclovia na Avenida de Berna, à insegurança, ruído, lixo e até prostituição das zonas em que habitam. As questões foram apresentadas na primeira reunião pública do atual executivo camarário, sob a presidência de Carlos Moedas.

A aposta na mobilidade suave parece estar a preocupar a população, já que a ciclovia da Avenida de Berna foi um dos temas abordados. Tanto moradores como o próprio presidente da Junta de Freguesia de Avenidas Novas, Daniel Gonçalves, mostraram desagrado, uma vez que a criação da ciclovia obriga à supressão de mais de 160 lugares de estacionamento.

Carlos Moedas, presidente da Câmara de Lisboa

Em resposta, Carlos Moedas referiu que o projeto do executivo tem como objetivo criar novas opções de mobilidade na cidade e, como tal, irá evitar-se ao máximo eliminar estacionamento.

O ruído também foi apontado como um problema, especialmente o provocado por um espaço de restauração que funciona também como bar e discoteca e que transforma a vida dos moradores “num inferno”, cita a Lusa. Também a possível construção de uma residência de estudantes na Avenida 5 de Outubro está a preocupar a população.

Já no caso dos residentes de Campolide, os principais problemas identificados foram a falta de requalificação do espaço público, inclusive buracos no pavimento das ruas, o estado de degradação das habitações em alguns bairros onde há casas sem saneamento básico, e também a intervenção “punitiva e até predadora” da Empresa Municipal de Mobilidade e Estacionamento de Lisboa (EMEL) e a higiene urbana.

Face a estas questões, a vereadora do Urbanismo, Joana Almeida, referiu que o planeamento urbano poderá limitar uma área de reabilitação urbana para que se possa intervir no território.

Moradores do bairro do Alto do Parque, de Avenidas Novas, alertaram também para o problema de prostituição e de tráfico humano que tem impacto na higiene das ruas e na segurança, já que há relatos de rixas. Para amenizar a questão, os cidadãos propuseram mais patrulhamento policial e a reabertura da esquadra de Avenidas Novas.

Face a esta problemática, Carlos Moedas fez o compromisso de incluir o tema na próxima reunião do Conselho Municipal de Segurança, uma vez que tem de ser resolvido com a Polícia de Segurança Pública (PSP) e com a Polícia Municipal. Em relação à esquadra, tem de ser uma intervenção do Governo.

(Fotos: António Cotrim/Lusa, B. Araujo/Unsplash e Catalão Monteiro, Biblioteca de Arte e Michaela Loheit/Flickr)

Continuar a ler
Descobre o teu mundo.
Recebe a nossa newsletter semanal.
Home
Preço dos combustíveis na próxima semana de 15 a 21 de julho
Vai nascer mais um troço de ciclovia em Lisboa
Radares de velocidade da PSP. Onde vão estar no mês de julho