Mobilidade

Airbus A380 voa 3 horas com combustível à base de óleo de cozinha usado

Aeronave com um dos motores abastecido com combustíveis sustentáveis (SAF) voou durante três horas no primeiro voo de teste
Texto

A Airbus continua a apostar em criar opções mais sustentáveis para os seus aviões. Depois de ter anunciado que estava a desenvolver um Airbus A380 jumbo a hidrogénio, a empresa europeia de aviação pôs no ar o mesmo avião – que é o maior de passageiros do mundo –, mas desta vez movido a SAF – combustível de aviação sustentável.

A380 usado no teste (Foto Airbus)

Foi na sexta-feira, dia 25 de março, que o Airbus A380 de teste MSN1 fez o primeiro voo. Com um dos quatro motores Rolls-Royce Trent 900 abastecidos com 100% SAF, o avião partiu do aeroporto de Blagnac, em Toulouse, França, tendo ficado no ar durante três horas.

O combustível usado – ao todo 27 toneladas – foi produzido na Normandia, pela TotalEnergies. Este tem a particularidade de ser feito à base de óleo de cozinha usado e de outras gorduras também usadas.

Este foi o primeiro voo experimental com SAF de um A380 jumbo. No entanto, no último ano, a empresa de aviação fez outros dois testes com 100% SAF, um em março de 2021 com um Airbus A350 e outro em outubro com um A319neo.

Airbus A319neo em voo de teste com SAF (Foto H. Goussé - Master Filmes/Airbus)

Neste momento, segundo as normas de aviação, já é possível voar com até 50% de SAF misturado com querosene. A Airbus quer que seja certificada a utilização a 100% do combustível sustentável até ao final da década, já que há estudos que indicam que a utilização do SAF pode reduzir entre 53% e 71% as emissões de carbono.

Aviação em geral aposta no SAF

A Airbus está longe de ser a única companhia de aviação a apostar na utilização de SAF.

Em dezembro de 2021, a United Airlines fez um primeiro voo com passageiros com um Boeing em que um dos dois motores foi alimentado com combustível sustentável.

Voo com passageiros da United Airlines (Foto UA)

Mais do que isso, têm-se visto várias companhias aéreas a fazer grandes compras de SAF. Este ano, os 14 membros da aliança Oneworld, da qual fazem parte a American Airlines, British Airways e a Iberia, anunciaram a intenção de comprar perto de 758 milhões de litros de SAF por ano à Gevo, produtora de combustíveis renováveis, sendo que as entregas irão começar em 2027.

Também a Delta Air Lines deixou de parte o plano de comprar perto de 40 milhões de litros de combustíveis sustentáveis e fez um acordo para 284 milhões de litros também com a Gevo.

Airbus com grande aposta no hidrogénio

Airbus ZeroE (Foto Airbus)

O plano é simples: ter uma frota menos poluente até 2030. Para tal, a Airbus tem feito vários acordos com companhias áreas como a Air New Zealand e a easyJet para estudar a utilização de hidrogénio nos aviões.

Já este ano, a Airbus anunciou que está a trabalhar no seu maior avião, o A380 jumbo, de forma a fazê-lo voar com hidrogénio e não com combustível de aviação. Espera começar os testes já em 2026.

A380 jumbo a hidrogénio (Foto Airbus)

O mais interessante é que o avião que foi apresentado para este projeto a hidrogénio é o mesmo que foi usado no voo de 25 de março. Em comunicado, a empresa explica que este A380 será a base para os testes da tecnologia do futuro, essencial para se conseguir um avião com zero-emissões até 2035.

Continuar a ler
Descobre o teu mundo.
Recebe a nossa newsletter semanal.
Home
Ponte Vasco da Gama encerrada ao trânsito na próxima madrugada
O futuro pode não ter sequer volante e vai ser mais sustentável
Combustíveis: gasóleo e gasolina descem segunda-feira... mas pouco