Atualidade

Elon Musk oferece 43 mil milhões de dólares para comprar 100% do Twitter

A oferta do patrão da Tesla e Space X é feita em “cash” e tem como objetivo tirar a empresa de bolsa
Texto
Elon Musk, acionista do Twitter (Foto: Jae C. Hong/Associated Press)
Elon Musk, acionista do Twitter (Foto: Jae C. Hong/Associated Press)

Elon Musk, o homem mais rico do mundo, fundador e CEO da Tesla e Space X, quer agora tornar-se dono da rede social Twitter e não tem intenção de ficar apenas com os 9,2% adquiridos há menos de um mês, nem com o teto de 15% que a atual administração parece querer impor como limite.

Para isso está disposto a comprar a totalidade do capital do Twitter investindo cerca de 43 mil milhões de dólares (cerca de 40 mil milhões de euros).

Esta oferta tem implícito um preço de 54,20 dólares por ação (uma valorização de 38% face ao valor em bolsa a 1 de abril) e Musk refere que a compra será em “cash” ou seja, a dinheiro, numa intenção de convencer acionistas mais renitentes.

E não está com meias palavras, com apenas um comentário no Twitter refere: “fiz uma oferta”, e mostra inclusive o documento da US SEC (equivalente norte-americana à CMVM que controla as operações em bolsa).

Musk, que ainda na semana passada esteve indicado para CEO do Twitter mas depois deram-se vários avanços e recuos, já foi avisando que esta é uma proposta única que não irá acompanhar flutuações do valor das ações após este aviso.

Twitter na NYSE (Foto: Richard Drew/Associated Press)

O objetivo de Elon Musk ao deter o controlo absoluto da empresa passa por tirar o Twitter de bolsa e desta forma “fazer as mudanças necessárias face ao potencial extraordinário” da rede social, conforme pode ler-se num comunicado enviado pelo próprio ao conselho de administração do Twitter e citado pela Reuters.

Continuar a ler
Descobre o teu mundo.
Recebe a nossa newsletter semanal.
Home
Governo recomenda baixar a velocidade máxima para os 100 km/h
Dinamarca está a substituir comboios Diesel por elétricos
Itália tem primeira residência para estudantes alimentada a hidrogénio