Atualidade

Cheias causam prejuízo de €49 milhões em Lisboa e Moedas pede ajuda a Costa

Antes da contabilização total do prejuízo, já no mês de dezembro, o município revelou que ia ajudar com 3 milhões de euros
Texto

As chuvas fortes ocorridas em dezembro de 2022 provocaram prejuízos no valor de 49 milhões de euros em Lisboa. O valor foi anunciado por Carlos Moedas, presidente da Câmara de Lisboa, que pediu ajuda ao Governo.

Em conferência de imprensa, o autarca de Lisboa detalhou as várias parcelas do montante total. Dos 49 milhões euros, há 34 milhões de euros que correspondem a danos em equipamentos e infraestruturas públicas da cidade e os restantes 15 milhões de euros são destinados a estragos em atividades económicas, comércio e serviços e habitações privadas.

Carlos Moedas - AWAY
Carlos Moedas, Presidente da Câmara Municipal de Lisboa

Ao salientar os apoios que o município vai dar, cerca de três milhões de euros para famílias e atividades económicas, o presidente da Câmara Municipal de Lisboa pediu “ajuda máxima” do Governo liderado por António Costa.

De acordo com os dados apresentados pela CML e citados pela Lusa, dos 15 milhões de euros de prejuízos em bens privados, foram contabilizados 3,8 milhões em habitações, com 279 casos registados, e 11,2 milhões de euros em atividades económicas (comércio e empresas), com 338 situações.

relativamente a bens públicos, que contabilizaram um total de 34 milhões de euros em prejuízos, os equipamentos municipais foram os mais afetados com estragos no valor de 24,3 milhões de euros, assim como os equipamentos das juntas de freguesia que somam 3,5 milhões de euros.

Os restantes 6 milhões de euros pertencem a estragos em infraestruturas da câmara municipal e em infraestruturas pertencentes às juntas de freguesia.

Cheias em Lisboa - AWAY
Inundações em Lisboa (foto: João Relvas/Lusa)

O Governo reuniu em dezembro com 11 dos 18 municípios da Área Metropolitana de Lisboa para avaliar o impacto das cheias, tendo anunciado na altura que iria apoiar os mais afetados. Para tal, as autarquias teriam de fazer um levantamento dos prejuízos até 15 de janeiro de 2023.

Até ao momento, Loures já anunciou prejuízos no valor de 31 milhões de euros, Oeiras somou 19 milhões em danos, Cascais cerca de 18,2 milhões, Odivelas anunciou cerca de sete milhões e Amadora apontou cerca de dois milhões de euros.

Continuar a ler
Descobre o teu mundo.
Recebe a nossa newsletter semanal.
Home
Europa bate recorde de produção de energia eólica e solar
Preço dos combustíveis com forte descida na próxima semana
Radares da PSP para o mês de fevereiro: onde vão estar em todo o país