Sustentabilidade

Pegada ambiental: produção e resíduos plásticos duplicam em 20 anos

Relatório da OCDE analisou a pegada ambiental do plástico em toda o seu ciclo de vida entre 2000 e 2019
Utilização de plástico continua a aumentar
Utilização de plástico continua a aumentar

Apesar de haver cada vez mais consciencialização para a pegada ambiental da produção e utilização do plástico, a utilização do mesmo não parece estar a diminuir. De acordo com um novo relatório da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), de 2000 até 2019, a produção de plástico duplicou assim como a quantidade de resíduos plásticos.

Intitulado “Perspetiva global dos plásticos: Fatores económicos, impactos ambientais e opções políticas”, o relatório analisa a produção, utilização e desperdício causado pelo material, ao mesmo tempo que mapeia o impacto ambiental do plástico a nível global. São também apresentadas soluções para que se possa diminuir a sua utilização.

De 2000 a 2019, a produção anual de plástico duplicou, passando de 234 milhões de toneladas para 460 milhões de toneladas em 2019. Também os resíduos plásticos duplicaram no mesmo período, de 156 milhões de toneladas para 353 milhões. Deste, apenas 9% foi reciclado.

Este fenómeno deve-se, em parte, à utilização massiva de plástico de utilização única, como o que é usado nas embalagens dos produtos que compramos, por exemplo.

Com a pandemia de covid-19 e os consequentes confinamentos, a economia estagnou e houve uma redução na utilização de plásticos de 2,2%. Agora que as coisas começam a voltar ao normal, espera-se que a utilização do material e consequente lixo voltem a aumentar, colocando uma nova pressão sobre o ambiente.

Plástico em rios e oceanos

O ambiente acaba por ser muitas vezes o destino final para os materiais de plástico e, só em 2019, devido á má gestão dos chamados macroplásticos, 22 milhões de toneladas de plástico chegaram ao ambiente, sendo que desses, 6,1 milhões de toneladas acabaram em rios, lagos e oceanos.

De acordo com o relatório, até agora, estima-se que há 109 milhões de toneladas de plástico acumulado em rios e 30 milhões de toneladas em oceanos.

Devido ao curso normal dos rios, é esperado que cada vez mais plástico acabe nos oceanos e que continue a poluir o ambiente durante décadas.

É também deixado o alerta de que, quanto mais tempo passa, mais difícil ficará conseguir limpar estes depósitos de água, já que o plástico vai-se fragmentando e transforma-se em pequenas partículas, conhecidas por microplásticos.

Pegada carbónica

A pegada carbónica dos plásticos é significativa. No relatório, é referido que durante o seu ciclo de vida, o plástico contribui com 3,4% das emissões de gases de efeito de estufa a nível mundial.

Só em 2019, o plástico foi responsável pela emissão de 1,8 gigatoneladas de gases de efeito estufa, sendo que 90% destas emissões ocorreram durante a fase de produção e de conversão a partir de combustíveis fósseis.

Possíveis soluções para se reduzir o plástico e o seu impacto

A OCDE acredita que a única forma de se conseguir reduzir o impacto do plástico no ambiente é criando medidas que impulsionem a inovação, reciclagem e a cooperação internacional.

Plásticos apenas são reciclados em grande escala se for rentável fazê-lo”, refere o relatório.

Nos últimos 20 anos a produção de plásticos secundários a partir da reciclagem quadruplicou, mas ainda só representa 6% do total. é importante aumentar esta percentagem. Para tal, é necessário criar instrumentos económicos e de regulação para criar incentivos à recolha e reciclagem de resíduos plásticos.

É referido que, apesar de desde 2000, terem sido feitas várias inovações nas mais variadas áreas, apenas 1,2% foram relacionadas com os plásticos. A OCDE acredita que mais investimento na inovação poderá conduzir a um ciclo de vida circular para o plástico.

Uma vez que grande parte do lixo que acaba no ambiente é por uma má gestão, é sugerido que sejam fechadas estas fugas.

A cooperação internacional também ganha destaque no relatório como sendo uma solução para diminuir a pegada do plástico.

(Fotos: Unsplash e Pexels)

Continuar a ler
Home
PIng-pong nos combustíveis. Gasolina sobe, gasóleo desce. A nossa previsão
7 conselhos para te protegeres do calor extremo
Há 41 novos radares à tua espera em Lisboa. Descobre onde