Sustentabilidade

1741 incêndios em Portugal, em janeiro e fevereiro, novo máximo desde 2012

Seca que estamos a viver poderá ser a principal responsável pelos incêndios que deflagraram e consumiram mais de 7 mil hectares em Portugal
Texto
Incêndios em janeiro e fevereiro com novo máximo desde 2012
Incêndios em janeiro e fevereiro com novo máximo desde 2012

Entre janeiro e fevereiro, deflagraram mais de 1741 incêndios que consumiram 7068 hectares. Este é o valor mais alto desde 2012.

De acordo com dados disponíveis no site do Instituto Da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), estes incêndios consumiram na sua grande maioria mato (81%), mas também povoamentos florestais e terrenos agrícolas.

Grande parte dos fogos ocorreram durante o mês de janeiro.

Analisando os dados disponíveis desde 2001, a Lusa refere que os valores de 2022 são os segundos mais altos. Em janeiro e fevereiro de 2012, um ano também marcado pela seca, ocorreram quatro mil incêndios que foram responsáveis por mais de 12 mil hectares de área ardida.

Em declarações à Lusa, Duarte Caldeira, presidente do Centro de Estudos e Intervenção em Proteção Civil, associa o número elevado de incêndios ao período de seca por que estamos a passar.

Sempre que houve períodos de seca severa como o que estamos a viver, esses períodos do ano foram sempre problemáticos”, refere, acrescentado que prevê que 2022 seja “um ano muito perigoso” de incêndios.

Por essa razão, Duarte Caldeira, que é também membro do observatório criado pela Assembleia da República para analisar incêndios florestais, acredita que é importante ter os meios de combate a incêndios disponíveis o ano todo e não associar os reforços simplesmente à época do ano, como tem acontecido até agora.

(Fotos: K. Winegeart, J. Francis e M. Howard/Unsplash)

Continuar a ler
Descobre o teu mundo.
Recebe a nossa newsletter semanal.
Home
Governo recomenda baixar a velocidade máxima para os 100 km/h
Dinamarca está a substituir comboios Diesel por elétricos
Itália tem primeira residência para estudantes alimentada a hidrogénio